Instituto Tomie Ohtake
Espaço do Olhar é o nome do núcleo de cursos da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake cujo
objetivo principal é formar o público leigo e atender aquele já interessado em arte, além de oferecer
cursos de aprofundamento para profissionais da área e artistas. A proposta de formação do público
fundamenta-se no desenvolvimento da percepção, propondo um novo olhar, um olhar apurado sobre
a arte dos últimos 50 anos, principalmente a contemporânea, conforme o período de trabalho da
artista plástica que dá nome ao espaço, Tomie Ohtake.

Com salas e auditórios especialmente projetados para a realização de cursos teóricos e práticos,
workshops, simpósios e seminários, o Espaço do Olhar atua em sintonia com a curadoria de artes
visuais do Instituto para a definição de suas atividades, sempre coordenadas por artistas, pensadores
da arte e da cultura em geral.

Em parceria com a Fundação Carlos Chagas, a arrojada iniciativa tem trazido novos
paradigmas ao ensino e à exibição da arte contemporânea. O inovador projeto-laboratório
busca decifrar os processos de criação do artista e, ao mesmo tempo, do aprendizado do
adolescente, para descobrir novas metodologias de ensino e formas de aproximação da arte
atual com o público. Para isto, coloca alunos e professores de escolas públicas e privadas do
Ensino Médio -em contato estreito, durante seis meses, com um determinado artista e sua
obra. Como produtos deste projeto são realizadas duas exposições semestrais: uma do
artista convidado, no espaço expositivo do Instituto, e outra dos alunos e professores, no
Ateliê da Ação Educativa. O programa já focalizou a produção de Ana Maria Tavares, Amelia
Toledo, Rochelle Costi, Nuno Ramos e Artur Lescher.
Viabilizado pelo IMPAES - Instituto Minidi Pedroso de Arte
Educação Social,
o Programa Impaes faz parte do Núcleo
Permanente de Formação para Educadores, da Ação Educativa
do Instituto Tomie Ohtake, que visa fazer da arte
contemporânea e do ensino da arte ferramentas de inclusão
social. O Programa Impaes investe na formação de educadores
polivalentes que atuam nos segmentos de Educação Infantil e
de Ensino Fundamental I por meio de um programa de
educação continuada, com duração de quatro anos. Os cursos,
ministrados por artistas e arte-educadores consagrados,
abrangem disciplinas teóricas e práticas de História, Ensino e
Produção de Arte.
"O Instituto Minidi Pedroso de Arte e Educação
Social lança o programa Desafios Impaes 2007, que
consiste no processo seletivo para a escolha de
projetos diferenciados, com potencial multiplicador,
voltados ao ensino da arte em comunidades de
baixa renda. As inscrições estão abertas de 4 de
setembro a 6 de outubro de 2006. Informações
completas, regulamento e fichas de inscrição estão
no site www.impaes.org"
Coordenado e produzido pelo
Instituto Tomie Ohtake em
parceria com o FNDE - Fundo
Nacional para o
Desenvolvimento da Educação,
Mãos Artesãs aconteceu de
março a julho de 2006, em
escolas da rede pública das
cidades de Hortolândia e Embu
das Artes. O projeto buscou
valorizar e difundir o trabalho
artesão entre alunos do Ensino
Fundamental, oferecendo novas
possibilidades de expressão,
além de apontar caminhos para
futuras opções profissionais.
Foram realizadas oficinas de
modelagem em argila,
bordado, móbiles em arame,
escultura em pedra sabão,
construção de brinquedos e
instrumentos musicais. Sempre
que possível, os cursos
contaram com professores,
artesãos e artistas locais.
Iniciado no primeiro semestre de 2006 e
patrocinado pela Visanet, o Ateliê de
Gravura
oferece três modalidades de
cursos realizados no Instituto Tomie
Ohtake: Formação de Educadores de
ONGs, Formação para Professores de
Artes e Iniciação à Formação Técnica
de Jovens. A opção pelo projeto deu-se
em função de a gravura ser uma técnica
artística mais acessível à população de
baixa renda. Os cursos voltados a
educadores visam capacitá-los a aplicar
os conteúdos aprendidos em seus
respectivos espaços de trabalho. Já para
os jovens aprendizes, abrem uma nova
perspectiva artística e profissional.
            Percursos Culturais, realizado no
     segundo semestre de 2005 em parceria
         com a Prefeitura de Peruíbe, teve como
                 proposta ampliar o conhecimento dos
         professores de Ensino Fundamental do ciclo I,
aproximando-os da Música, das Artes Plásticas, do Teatro,
       da Literatura, da Dança e do Vídeo por meio de oficinas
             realizadas em São Paulo, no Instituto Tomie Ohtake. A
         iniciativa buscou também aprofundar o olhar dos professores
                                                        para aspectos da cultura local.
Em parceria com a HP, o projeto introduz a fotografia na sala de aula. Em 2005, os professores
Iatã Cannabrava e Inaê Coutinho realizaram cursos teóricos e práticos com 50 professores e 50
alunos do Ensino Médio e Fundamental II de escolas públicas e privadas. Os resultados do Captação
de Imagens: Fotografia HP
foram perpetuados em publicação destinada a professores da rede
pública.


Informe-se sobre os cursos, projetos especiais, workshops, palestras e matrículas pelo telefone
2245 1937

O Instituto Tomie Ohtake oferece ainda:
o Exposições de terça a domingo, das 11 às 20 horas.
o Agendamento (grátis) de visitas orientadas, com atividades educativas para grupos pelo
telefone 2245 1937.