Hortas Verticais e Horizontais e Cooperativa aplicadas em conjunto habitacional popular





Atentos a demandas sociais e de sustentabilidade, o projeto consiste em hortas desenvolvidas em níveis para serem adaptadas a conjuntos habitacionais populares. Está prevista também a criação de cooperativa, voltada ao cultivo e preparo dos alimentos, tocada pelos próprios moradores do entorno. A estrutura se adapta a diferentes tipologias de edificações e solos, funcionando como um protótipo-modelo para diferentes conjuntos habitacionais no Brasil. O projeto permite a complementação alimentar e de renda dos moradores dos diferentes conjuntos.

Como primeira prototipagem, estudou-se a aplicação da proposta em Santa Maria (RS), no Residencial Videiras, um conjunto com 420 famílias e 20 edifícios. O projeto ocupa 11 empenas cegas e a cobertura das edificações, criando andares de hortas que acrescentam identidade e variedade à monotonia cromática dos conjuntos habitacionais. As cores das estruturas proporcionam ainda clareza e auxílio para a montagem da estrutura, bem como facilitam a seleção dos produtos.

A estrutura é composta por pilares e vigas metálicos, um conjunto que, pela sua disposição, envolve as edificações. Os encaixes e travamentos das diversas peças possibilitam uma estrutura de fácil montagem, de modo que se assemelha a um brinquedo de montar. As vigas recebem os módulos das hortas, dispostas em andares, ao passo que as vigas metálicas, dispostas na base da estrutura, permitem que a cooperativa esteja acima do nível do solo. Os vasos dos módulos que compõem as hortas propriamente ditas são anexados verticalmente por uma estrutura que é montável e desmontável conforme a necessidade. O espaçamento entre os vasos muda conforme os módulos, para que recebam plantações com alturas diversas, desfrutando da insolação. A irrigação, por sua vez, é feita por sistema de sprinkler anexado à estrutura.

Estão previstos locais para o ensino relacionado ao cultivo. O retorno com a venda do excedente não consumido pelas famílias é destinado ao auxílio nas despesas do condomínio e nos custos de manutenção das hortas. Para a situação estudada, estimam-se 19 toneladas ao mês em produtos cultivados na horta, sendo 35 quilos destinados para cada família, além de cerca de 4,5 toneladas ao mês para a venda na cooperativa.

dia 17 de setembro os premiados do 2o Prêmio de Design do Instituto Tomie Ohtake Leroy Merlin. A premiação, que deveria acontecer presencialmente no espaço físico do Instituto Tomie Ohtake junto à exposição dos projetos, foi anunciada em vídeo em virtude da pandemia do novo coronavírus.



Ficha técnica



Hortas Verticais e Horizontais e Cooperativa Aplicadas em Conjunto Habitacional Popular |

Vertical and Horizontal Vegetable Gardens and Co-op Designed for Housing Projects

 

Proposta de hortas verticais e horizontais a serem construídas em conjuntos habitacionais populares. Com o desafio de conceber uma estrutura adequada a diferentes tipos de construção e solo, o projeto prevê também a criação de uma cooperativa voltada ao cultivo e preparo dos alimentos produzidos no local pelos moradores do entorno.

 

Proposal to lay out vertical and horizontal gardens for housing projects. Challenged to design suitable structures for different types of construction and soil, the project also sets up a cooperative to grow produce and prepare meals using ingredients sourced from locals.

 

Autora | Author

Gabriela Chiappa da Rosa

 

Tipo de projeto | Type of project

Arquitetura | Architecture

 

Estado | State

Rio Grande do Sul

 

Cidade | City

Santa Maria

 

Instituição de estudo | Learning institution

Universidade Franciscana – UFN

 

Curso | Program

Arquitetura e Urbanismo | Architecture and Urbanism

 

Orientador | Advisor

Estevan Barin