Arte, Cultura e Costura

 

Constituído por práticas e reflexões em moda, a terceira edição do projeto Arte, Cultura e Costura teve como eixo central um curso para cerca de 70 mulheres em situação de vulnerabilidade social, abrigadas em 4 centros especiais de acolhida, em São Paulo. Contemplado com o Selo Municipal de Direitos Humanos e Diversidade 2020, o projeto enfatiza o desenvolvimento pessoal, autoconhecimento e incentivo ao empreendedorismo das participantes através de experiências culturais. Diferente dos anos anteriores, esta edição foi totalmente realizada a distância, em função da pandemia de Covid-19.

O curso contou com aulas on-line e as participantes receberam kits individuais com materiais de costura e bordados para cada técnica apresentada durante as aulas, que deram base para que elas continuassem os estudos após os encontros. Atividades culturais remotas com instituições parceiras, como Japan House, Museu do Futebol, Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, Museu da Imigração e SESC Pinheiros, além do próprio Instituto Tomie Ohtake ampliaram o repertório cultural das participantes.

O projeto também ofereceu ações abertas ao público ao disponibilizar os vídeos Faça em Casa!.
A série com 4 vídeos produzidos por especialistas no contexto DIY (do it yourself - faça você mesma) está disponível em nosso canal do Youtube:





Nos dias 7 e 8 de junho, como parte do projeto, o Instituto Tomie Ohtake realizou o seminário virtual Arte, Cultura e Costura, atividade gratuita e aberta ao público.

O seminário colocou em debate para o público em geral uma ideia de moda que é uma expressão estética cotidiana, mas que também transforma aspectos da sociedade como o trabalho, a valorização da criatividade, a diversidade de matrizes culturais e de corpos do país. Essas experiências foram trazidas por convidadas e convidados que possuem histórico e atuação em empregar a moda com impacto sociocultural positivo para diversas frentes da sociedade brasileira.

Participaram do primeiro dia de debate, denominado “Arte e Educação”, a designer e antropóloga Helena Kussik, o jovem estilista baiano Isaac Silva, o estilista e designer Jum Nakao, a estilista mineira Raquell Guimarães e como participação especial, o professor especialista em história da arte Lorenzo Merlino.



No segundo dia de debate, 
o encontro “Cultura e Empreendedorismo” contou com a participação da designer de moda Vívian Ramos, a especialista em negócios da moda e criadora do Concurso Internacional de Moda Inclusiva Daniela Auler, o estilista paulistano Emerson Brandão Figueiredo, a consultora e mentora sobre inclusão Maite Schneider, cofundadora do projeto TRANSEMPREGOS (2013), e a participação especial da designer de moda e consultora de imagem e estilo Michelle Simões, também criadora do projeto “Meu Corpo é Real”.

 

Durante o seminário ocorreu o lançamento de um minidocumentário com reflexões socioculturais sobre arte, moda e populações em vulnerabilidades, além de imagens e ilustrações dos processos de criação e registros de produção ao longo das ações do projeto:

 












Saiba mais sobre a última edição do projeto
:





Informações sobre o corpo docente:


Elisa Dantas - técnicas básicas de costura


Professora e criadora, especializada em costura. Com sua empresa - A Costureirinha, ministra cursos virtuais e presenciais de costura, produz vídeos-tutoriais em seu canal no YouTube e escreve sobre criatividade e DIY. Difunde a costura numa linguagem atual e urbana, estimulando o empoderamento e a redescoberta do fazer manual.




Jacqueline Paz - estamparia

Artista visual e designer de estampas. Desde 2015 dedica-se à criação e ensino de estamparia manual, além da constante pesquisa sobre técnicas tradicionais. Já ministrou cursos e oficinas na rede SESC São Paulo e em espaços culturais privados.




Mitti Mendonça - bordado

Artista têxtil e ilustradora. Em 2017, criou o selo Mão Negra, para alinhavar o bordado, que circula há quase 100 anos entre as mulheres da família. Usufrui das técnicas de crochet, bordado, assemblagem e arte digital. Seus trabalhos abordam as poéticas negras, a memória, o afeto e a ancestralidade. Atua em Feiras de Arte Impressa, exposições e como oficineira. É natural de São Leopoldo-RS, onde reside e tem seu ateliê.




Patricia Sant’Anna - arte-empreendedorismo

Dra. em História da Arte (Unicamp), Ms em Antropologia Social (Unicamp), MBA em MKT (USP), e Bel em Ciências Sociais (Unicamp) sempre teve a moda como seu objeto de estudo. É fundadora e CVO da Tendere Pesquisa de Tendências e Soluções Criativas. Leciona e palestra sobre Pesquisa e Negócios da Moda há mais de 20 anos. Atua há pelo menos 8 anos em Moda Inclusiva e já ajudou diversos empreendedores a começar seus negócios de moda com sucesso.




Emerson Brandão - condução do curso

Historiador e designer de moda, lecionou na rede pública e privada de educação na cidade de São Paulo. No ano de 2016, ao lado do seu companheiro Francisco Santinho, criou a Ce., marca democrática, sem gênero e atemporal. Atualmente atua na área de estilo e criação. 






PATROCÍNIO



IDEALIZAÇÃO E COORDENAÇÃO

    


REALIZAÇÃO