Experiências Negras

O Núcleo de Cultura e Participação do Instituto Tomie Ohtake, por meio da equipe de Ação e Pesquisa Educativa, realiza o projeto Experiências Negras, que visa apresentar debates protagonizados por pessoas negras que atuam em diversas áreas nas instituições de arte e cultura.

A realização do projeto tem origem na mesa de debate O corpo negro na prática educativa de museus e instituições culturais, desenvolvida pelas educadoras Jordana Braz e Luciara Ribeiro como parte da programação do Mês da Consciência Negra, em novembro de 2018.

O projeto Experiências Negras é composto por uma websérie no canal do IGTV do Instituto, publicações digitais e mesas de debates. Confira abaixo a programação para 2019:



AGOSTO
Dia 15/08, das 19h às 21h
Lançamento do projeto com mesa redonda Coletivos de artistas negros e negras: projeções para as artes contemporâneas, com a presença de Ina Henrique Dias (Afrotometria), Keyna Eleison (Coletivo TROVOA), Peter de Brito (A Presença Negra) e Andrea Mendes (Pretas Incorporações), e mediação de Luciara Ribeiro (curadora, pesquisadora e arte educadora do Instituto Tomie Ohtake). O evento também contará com a projeção do primeiro episódio da websérie e lançamento da primeira edição da publicação digital. 
MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O LANÇAMENTO DO DIA 15/08 AQUI.

PUBLICAÇÃO DIGITAL - VOL.1



OUTUBRO
Dia 04/10, das 19h às 21h
Mesa de debate Novas curadorias femininas negras, projeção do segundo episódio da websérie e lançamento da segunda publicação digital.



NOVEMBRO
Dia 21/11, das 19h às 21h
Mesa de debate Práticas de acessibilidade, projeção do terceiro episódio da websérie e lançamento da terceira publicação digital.


----

Jordana Braz é educadora do Instituto Tomie Ohtake e fotógrafa. Pós-graduada em Gestão de Projetos Culturais pelo Celacc-USP e graduada em Letras pela Unifesp. Integrou o projeto VISURB - grupo de pesquisa de Antropologia Visual e Urbana da Unifesp. Em 2012 foi premiada no concurso fotográfico para jovens no Festival de Avanca em Portugal, realizado com o suporte da plataforma SHARP - Platform for Sharing RePresenting da UNESCO. Atua em educativos de instituições culturais desde 2014. Em 2018 iniciou uma pesquisa em relações étnico-raciais na educação e práticas de mediação em arte.


Luciara Ribeiro é educadora do Instituto Tomie Ohtake, pesquisadora e curadora independente. Interessa-se por questões relacionadas à descolonização da educação e das artes e pelo estudo das artes não ocidentais, em especial as africanas, afro-brasileiras e ameríndias. É mestra pelo programa de Máster en Estudios Avanzados en Historia del Arte da Universidade de Salamanca e pelo Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Unifesp.