“O corpo negro na prática educativa de museus e instituições culturais”

O Núcleo de Cultura e Participação do Instituto Tomie Ohtake convida para o encontro “O corpo negro na prática educativa de museus e instituições culturais”.

Jordana Braz e Luciara Ribeiro convidam para um debate aberto sobre o corpo negro na prática educativa de museus e instituições culturais. Além da presença das educadoras do Instituto Tomie Ohtake, o encontro contará com a participação de profissionais do setor educativo de outras instituições e visa compartilhar e discutir experiências educativas que têm como objetivos a desconstrução de práticas educativas hegemônicas e a ressignificação das narrativas oficiais em busca de uma sociedade antirracista.


Dia 24/11, sábado, das 15h às 18h.

Entrada gratuita | Não é necessário se inscrever

----

Luciara Ribeiro é educadora, pesquisadora e curadora independente. Trabalha há oito anos com arte-educação em museus e instituições culturais. Interessa-se por questões relacionadas a descolonização da educação e das artes, e pelo estudo das artes não-ocidentais, em especial, as africanas, afro-brasileiras e ameríndias. É mestra em História da Arte pela Universidade de Salamanca (USAL, Espanha, 2018) onde foi bolsista da Fundación Carolina, graduada em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP, 2014), com intercâmbio na Universidade de Salamanca (USAL, Espanha, 2012), e atualmente realiza o seu segundo mestrado, no Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Universidade Federal de São Paulo.

 

Jordana Braz é educadora e fotógrafa. Cursa pós-graduação em Gestão de Projetos Culturais pelo CELACC-USP e é graduada em Letras pela UNIFESP. Atua em educativos de instituições culturais desde 2014.

 

Ana Paula Lopes coordena o educativo da Funarte - SP. É pesquisadora, graduada em Arte: História, Crítica e Curadoria pela PUC-SP. Realizou a pesquisa sobre a exposição Jovem Arte Contemporânea de 1972 e atualmente pesquisa curadoria e arte em Latino América. Publicou “Una Posición Al Margen / A Position In The Margins”, na Terremoto Magazine, México. Já atuou como arte educadora na Fundação Bienal de Artes de São Paulo, SESC-SP, Centro Cultural São Paulo, Museu de Arte Brasileira (MAB-FAAP) e na mostra Made by... Feito por brasileiros. Trabalhou nas galerias White Cube São Paulo, Mendes Wood DM e Jaqueline Martins.

 

Juba Duarte é educadora referência em acessibilidade no CCBB-SP e atua no setor educativo há 7 anos. É bacharela em Ciências Sociais pela PUC-SP e desde 2016 dedica-se ao aprendizado de Libras e acessibilidade cultural concomitante a pesquisas a respeito de produções afrodiaspóricas. É também batuqueira em grupos de cultura popular.

 

Uilton Júnior é homem negro cis, nordestino, bicha e historiador da arte em formação, dedicado a investigar e desenvolver pesquisas e ações que construam diálogos decoloniais acerca da construção da identidade negra na população brasileira. Já atuou como educador artístico social em museus e instituições culturais, sobretudo através da valorização da democracia cultural. Esteve envolvido em debates e rodas de conversa sobre ações educativas e diversidades em instituições como o SESC, SENAC e Núcleo Luz.